quarta-feira, 20 de outubro de 2010

O trilho

Passou por mim um homem de chapéu, passou uma mulher de vestido amarelo segurando uma menininha, de cabelos louros cacheados, pela mão. Passou também um garoto correndo, levantando poeira. Estava um tempo seco. O vento trazia partículas de terra e areia para dentro da estação. O banco em que eu sentava acumulava sujeira. Mas eu não me importava.
Chegou mais um trem; e a cada trem eu via meu tempo esgotando.
No chão ao me lado tinha um gato encardido. Já nem lembrava quanto tempo ele estava ali. Hora ele deitava e dormia, hora sentava sobre as patas traseiras e ficava atento ao mundo. Eu não gostava de gatos.
Anos, meses ou dias antes, num dia chuvoso, o melhor dia da minha vida até agora, ELA apareceu, Bella apareceu e me disse para segui-la. Então seguiu caminhando pelos trilhos. Foi impossível eu segui-la naquela hora, pois era ELA, e eu, uma gota da chuva, ou uma partícula de poeira. Eu precisava ver mais trens passarem para poder acompanhá-la; mas até quando esperar?
Don´t think twice, it´s all right. Disse o gato ao meu lado.
E então eu levantei, sacudi a poeira e deixei o gato par trás. Começou aí minha caminhada pelos trilhos.

2 comentários:

Marcos Satoru Kawanami disse...

o que vou dizer é lugar comum, mas é verdade: o Romantismo, enquanto escola literária, nunca sai de moda. só que hoje, chamam de Emo. foi o que a Maria Beatriz da novela Tititi falou no ar.

bella ferraro disse...

^_^

Você não gosta de gatos porque eles falam inglês?

Marcos noveleiro!