quarta-feira, 7 de julho de 2010

Roubei - Golpe de realidade / Golpe de ilusão

Golpe de realidade

Nada do que você disse antes faz sentido agora.

Tudo o que dissemos se tornou vazio quando esse lobo apareceu e tirou, de mim e de tantos outros, pedaços inestimáveis de coração, fígado e pulmão.

Em marcha imprecisa, a invasão e o roubo, do topo da América ao meio do Oriente, espalhados em tempestade de areia. Tão camuflados que duvidamos da ameaça, tão longínquos que duvidamos da dor.

Analisáveis até nos arranquem um pedaço; traiçoeiros como tudo o que está muito perto de não acontecer.

Isabella Ferraro


Golpe de ilusão

Tudo do que você disse antes faz sentido agora.

Tudo que dissemos se tornou sólido como uma rocha, quando esse tigre apareceu e matou o lobo que existia dentro de nós, reconstruindo nossos corações, fígados e pulmões.

Em marcha tão precisa, ignoramos a invasão e o roubo, passamos por cima de tudo, do topo da América ao meio do Oriente, levantando tempestades de areia. De cabeça aos céus e peito aberto, confrontamos com a dor e ameaça.

Confiáveis mesmo que nos arranquem pedaços e pedaços; sólidos, duros e inquebráveis, como toda a ilusão a nossa volta, como tudo que desejamos que vai acontecer.

Eu

3 comentários:

Mateus Henrique Zanelatti disse...

Só para ver como ela escreve; e ESCREVE!

::)

Marcos Satoru Kawanami disse...

sinto a inversão de valores, será um texto subversivo? rsrs

bella ferraro disse...

Mateus, seu babão

:*